27 Cantata de Natal - POA HORIZONTAL 1.png

#27 BACH CANTATA
DE NATAL 2022

27 de Novembro de 2022 às 19h

Concerto presencial com entrada gratuita

Centro Cultural 25 de Julho

Rua Germano Petersen Junior, 250 – Porto Alegre

Secretaria de Estado de Cultura do Rio Grande do Sul apresenta

Projeto Construindo Cultura Bach Cantata de Natal 2022

 

O projeto Construindo cultura da Associação Orquestra Sinfônica de Carazinho se une a Bach Society Brasil para realizar um ciclo de concertos no estado. Serão apresentações para o público e também apresentações didáticas para escolas públicas em Porto Alegre e em Carazinho. No próximo domingo 27/11 acontece no Centro Cultural 25 de julho o concerto Bach Cantata de Natal 2022, que celebra a data através de uma experiência multi artística incluindo canto, dança e música instrumental. No programa, teremos a Suíte Orquestral No. 1 BWV 1066, acompanhada da coreografia original dos manuscritos de época, executada pela bailarina Maira Alves. O baixo austríaco Norbert Steidl e o tenor Marcus Loureiro, solistas especialistas irão apresentar a cantata de Natal BWV 62, ao lado do Ensemble Bach Brasil e de músicos convidados que estão sob direção artística de Fernando Cordella. O concerto é realizado através do edital FAC Artes de espetáculo da Secretaria Estadual de Cultura do Rio Grande do sul.

PROGRAMA

 

Johann Sebastian Bach (1685 – 1750)

 

Suite Orquestral No.1 em Dó Maior, BWV1066 

- Ouverture

- Courante

- Gavotte 1 & 2

- Forlane

- Menuets 1 & 2 

- Bourrée 1 & 2

- Passepied 1 & 2

 

Johann Sebastian Bach (1685 – 1750)

 

Cantata “Num Komm, der Heiden Heiland, BWV 62

- Coral: Nun komm, der Heiden Heiland

- Aria tenor: Bewundert, o Menschen, dies grosse Geheimnis

- Recitativo baixo: So geht aus Gottes Herrlichkeit und Thron

- Aria baixo: Streite, siege, starker Held!

- Recitativo soprano e contralto: Wir ehren diese Herrlichkeit 

- Coral: Lob sei Gott, dem Vater, ton

Solistas:

Norbert Steidl (Áustria), baixo 

Marcus Loureiro (SP), tenor

Cíntia de Los Santos, soprano

Maíra Alves (SP), bailarina
 

ENSEMBLE BACH BRASIL (com instrumentos de época)

Giovani dos Santos, violino 

Marcio Ceconello, violino

Leonardo Bock, viola

Diego Biasibetti, violoncelo 

Alexandre Ritter, violone

Hanon Rossi (SP), orgão

Natalia Chahin (SP), oboé 

Vinicius Chiaroni (SP), oboé

Romeu Rabelo (SP), fagote

ENSEMBLE VOCAL

Gaia Schenini, soprano

Andiara Mumbach, soprano

Rodrigo Bloch, contratenor

Roddy Chincha, tenor

Mauro Pontes, baixo

NORBERT STEIDL, barítono

 

Nascido em Linz na Áustria, formou-se mestre de canto na Universidade Mozarteum Salzburg em 2007. Participou do Festival de Salzburg sob a regência de Ricardo Muti em óperas de Paisiello e Mozart. 

 

Cantou  Leporello (Don Giovanni) no Teatro do século XXI de Beijing, Masetto (Don Giovanni) no TMSP, Melisso (Alcina) no Teatro São Pedro de São Paulo, Ottokar (Der Freischütz) e Vater (Hänsel und Gretel) no Teatro Guaíra de Curitiba, Geronimo (Il matrimonio segreto) em vários teatros da Áustria, Suíça e Alemanha, Parmenione (L‘ocassione fa il ladro) em Curitiba, Papageno (Die Zauberflöte) em Salzburg, entre outros papéis. 

 

Apresentou-se em inúmeros concertos como solista nos grandes oratórios de Händel, Bach, Haydn, Brahms em diferentes países da Europa e da América Latina. 

FERNANDO CORDELLA, diretor artístico

 

Fernando Turconi Cordella é considerado um dos principais cravistas de sua geração na América Latina. Recebeu o prêmio TOYP JCI como a figura mais expressiva no Brasil do ano de 2015, na categoria “Êxito Cultural”. Tem atuado como solista e maestro convidado nas principais orquestras do Brasil e exterior. Trabalhou em projetos com Luis Otávio Santos, Nathalie Stutzmann, Peter van Heyghen, Olivia Centurioni, Roman Garrioud, Michaela Comberti, Rodolfo Richter, entre outros. É professor de Cravo e coordenador da Oficina de Música Barroca da Escola Municipal de Música de São Paulo – EMMSP e diretor artístico da Sociedade Bach Brasil. Pianista de formação, teve sua principal orientação através da pianista brasileira Dirce Knijnik. No cravo, Nicolau de Figueiredo foi o seu grande mestre. Vencedor do Premio Açorianos 2011 como melhor intérprete pelo disco “CRAVOS – de Frescobaldi a Mozart”.


 

MARCUS LOUREIRO, tenor

 

Iniciou os estudos musicais ao piano na Escola Municipal de Música de São Paulo. No Coral Infanto Juvenil da EMMSP sob Regência da Maestrina Mara Campos, cantou nas óperas "La Gioconda" e "João e Maria" no Theatro Municipal de São Paulo em 2006, ainda nesse mesmo ano foi convidado para ser solista na Ópera "Olga". Em 2011 ingressou na UNESP no curso de regência. Foi integrante do Coral Jovem do Estado sob Regência de Naomi Munakata, e do Coro Acadêmico da OSESP sob regência de Marcos Thadeu, e desde 2014 é integrante do Coral Paulistano do Theatro Municipal, onde já atuou como solista nas obras “Requiem” de Mozart, “Lauda per la Natività del Signore” de Ottorino Respighi e “Missa de Santa Cecília” de Charles Gounod. Foi Aluno de técnica vocal do Tenor Gilberto Chaves e Isabel Maresca, atualmente é orientado por Lidia Schäffer e Juliana Starling.

barra completa preto.png