_11 BACH -  Concerto 2 _ _11 BACH10.png

ENSEMBLE
BACH BRASIL

A série de Concertos Bach Brasil, que já conta com mais de 25 apresentações celebradas internacionalmente, deu origem a uma formação fixa de músicos de excelência. O Ensemble Bach Brasil, composto por 6 músicos, se consagra enquanto núcleo de pesquisa, técnica e virtuosidade centrados na performance histórica da obra de Johann Sebastian Bach.

Fernando Cordella - Bach Brasil.jpg

FERNANDO CORDELLA
REGÊNCIA E CRAVO

Fernando Cordella, diretor artístico da Bach Society, é regente e cravista do Bach Brasil Ensemble. É considerado um dos cravistas mais ativos de sua geração na América Latina. Em 2015 recebeu, o prêmio TOYP JCI Brasil como a figura mais expressiva no Brasil do

ano, na categoria “Êxito Cultural”. Diretor artístico e maestro titular da Sociedade Bach Porto Alegre e Bach-Brasil. Desde 2016 é o professor da classe de cravo da EMMSP – Escola Municipal de Música de São Paulo e um dos coordenadores da Oficina de Música Barroca da mesma instituição.

 

Tem atuado fortemente como solista e maestro convidado nas principais orquestras do Brasil e exterior. Atuou sob direção de: Peter van Heyghen, Nathalie Stutzmann, Luiz Otávio Santos, Michaela Comberti, Olivia Centurioni, Bart Naessens, Roman Garrioud, Juan Manuel Quintana, Rodolfo Richter, entre outros.

 

Iniciou seus estudos com a pianista Dirce Knijnik, e no cravo teve Nicolau de Figueiredo como seu principal mestre. Vencedor do Premio Açorianos 2011 como melhor intérprete da categoria música erudita pelo disco “CRAVOS – de Frescobaldi a Mozart”.

Foto Giovani 2.png

GIOVANI DOS SANTOS
VIOLINO BARROCO

Giovani dos Santos é Bacharel em Música pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde teve a orientação de Hella Frank e Fredi Gerling. Em uma breve passagem pela Alemanha entre 2011 e 2012, teve aulas com Michael Gehlmann, além de participar do

Deutsch-Skandinavische Jugend-Philharmonie, a convite de Leon Spierer, spalla da Filarmônica de Berlim. Em seguida aperfeiçoou-se com Emanuelle Baldini, spalla da OSESP, além de já ter participado de dezenas de festivais de música e masterclasses pelo Brasil, a se destacar a bolsa integral no Festival de Campos do Jordão 2015 e o posto de spalla na Orquestra Acadêmica do Festival Internacional de Música do SESC Pelotas em 2013 e 2018. Atualmente realiza intensa atividade orquestral e camerística, integrando a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, Orquestra de Câmara da ULBRA, Bach Brasil Ensemble, Trio Scherzo e Armonial Ensemble. Tem participado ativamente no cenário da performance historicamente informada no Brasil, onde já gravou ao lado de nomes como Fernando Cordella, Luís Otávio Santos, Ricardo Kanji e Gabriella di Laccio.

 
Home-Banner-Society_0004_Layer-7_edited_edited.jpg
BIO Marcio Ceconello.jpg

MÁRCIO CECONELLO
VIOLINO BARROCO

Mestre em Performance Musical pela Universidade Federal Minas Gerais (UFMG), graduou-se pela UFRGS sob orientação de Fredi Gerling e Hella Frank. Aperfeiçoou-se em Viena e Estados Unidos na Universidade do Tennessee-Knoxville com

mestres do violino como Peter Schuhmayer e Mark Zelmanovic. Participou de turnês com Junge Osterreichische Philharmonie, Youth Orchestra of the Americas e Jeunesses Musicales World Orchestra. Vencedor do concurso Jovens Solistas SESI/Fundarte. Foi integrante da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais e spalla da Orquestra Sinfonietta Belo Horizonte, onde também atuou como solista. Integra a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA). Atua também ao violino barroco, hoje integrando o Bach Brasil Ensable. Profissional de orquestra envolvido em concertos, óperas e espetáculos cênicos. Atuou em diversas produções de óperas no Brasil e, no exterior, como residente em produção da Washington D.C. Como membro do Instituto de Artes Tristan, aprofunda estudos em filosofia, simbologia e mitologia, elaborando roteiros baseados em adaptações contemporâneas da mitologia ocidental.

 
Leonardo Bock 2.jpg

LEONARDO BOCK
VIOLINO BARROCO

Formou-se no curso de Bacharelado em Música – Violino, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), sob orientação do prof. Dr. Fredi Gerling. Obteve diploma de aperfeiçoamento artístico durante intercâmbio na University of

Georgia (EUA), com o pedagogo Dr. Levon Ambartsumian (Armênia). Também aprimorou-se na Alemanha, na Hochschule für Musik Münster, com o prof. Helge Slaato (Noruega). Já se apresentou em diversas salas de concerto na Alemanha, Estados Unidos, Venezuela, Chile, Argentina e Brasil. Além das atividades orquestrais, atua como solista e exerce com muito entusiasmo atividade de música de câmara como violinista e violista. É spalla assistente da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA), spalla da Orquestra do Teatro São Pedro, membro da Bach Brasil Ensemble e Vortz Orquestra.

Diego Schuck Biasibetti - Viola da Gamba.jpg

DIEGO SHUCK BIASIBETTI
VIOLONCELO, VIOLA DA GAMBA E REGÊNCIA

Violoncelista, gambista e regente, Diego é formado pela Hochschule für Künste (Escola Superior de Artes, Bremen – Alemanha) em Violoncelo Barroco com a profa Viola de Hoog e em Viola da Gamba com a Profa Hille Perl. Graduado em Regência Coral

pela UFRGS com o Prof. Dr. Joceley Bohrer.

Foi violoncelista solista nas extintas Orquestra Unisinos-Anchieta e Orquestra Sinfônica da UCS. Gravou quatro Cds como violoncelista na orquestra do 18º, 19º, 20º e 21º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga, sob direção de Luis Otávio dos Santos. Atualmente é violoncelo solista na Orquestra Sinfônica de Porto Alegre e regente do Porto Alegre Consort e Coral Porto Alegre.

Home-Banner-Society_0004_Layer-7_edited_edited.jpg
ALEXANDRE RITTER-créditos para Isaias Mattos-2020.jpg

ALEXANDRE RITTER
CONTRABAIXO

O contrabaixista brasileiro Alexandre Ritter desenvolve desde 2000 trabalho artístico, pedagógico e de pesquisa na Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS (BRASIL). Ele é membro fundador da Bach Society Brasil e contrabaixista na Bach Brasil Ensemble.

Ele recebeu ambos os títulos de Doutor e Bacharel em Performance pela The University of Georgia (EUA) e participou do mestrado em Performance na University of British Columbia (CANADÁ). Ele ganhou bolsas de estudo para, a Academia Musicale Chiggiana (ITÁLIA) onde recebeu Diploma di Mérito, o Campus Internazionale di Musica em Sermoneta (ITÁLIA), o Banff Orchestral Program e o Toronto Summer Music Academy (CANADÁ), bem como para o North Caroline School for the Arts (EUA). Seus principais professores foram, Antônio Guaracy Guimarães, Milton Romay Masciadri, Milton Walter Masciadri e Francesco Petracchi.

 

Ele já tocou em orquestras nas Américas do Norte e Sul, incluindo orquestras nos EUA como, ARCO Chamber Orchestra, as Sinfônicas de Savannah, Charleston, Greenville, Athens, Macon e Augusta, e no Brasil, Orquestra Sinfônica do Paraná (OSINPA), Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA), Orquestra de Câmara do Theatro São Pedro e Orquestra UNISINOS.

 

Suas masterclass, concertos e palestras o tem levado para várias partes do Brasil e para países como, Alemanha, Argentina, Canadá, Costa Rica, França, Holanda, Itália e EUA.