top of page

sáb., 08 de abr.

|

https://youtu.be/iCT_yZ6J5yI

Concerto de Páscoa 2023

Transmissão online do concerto de abertura da temporada com as maiores sopranos da atualidade especializadas em música barroca

O registro está fechado
Ver outros eventos
Concerto de Páscoa 2023
Concerto de Páscoa 2023

Horário e local

08 de abr. de 2023, 19:00 – 20:00

https://youtu.be/iCT_yZ6J5yI

Sobre o evento

A Bach Society Brasil celebra a Páscoa com a transmissão online do concerto de abertura da temporada com as maiores sopranos da atualidade especializadas em música barroca: Maria Cristina Kiehr (Suíça) e Marília Vargas (São Paulo). O Ensemble Bach Brasil, dirigido por Fernando Cordella, inicia com o vibrante Concerto em Lá menor para Violino e orquestra BWV 1041, com o violinista Giovani dos Santos. Adentrando o repertório sacro do barroco, será apresentada a misteriosa Troisième Leçon De Ténèbres à deux Voix, de François Couperin, obra em que as vozes são tratadas pelo compositor como verdadeiros instrumentos, tecendo melismas inspirados pelas letras do alfabeto hebraico. O concerto segue explorando as potencialidades da voz soprano na obra de Johann Sebastian Bach com uma seleção de árias sacras (solo e em dueto), retiradas das Paixões e da Missa em Si Menor.  O trigésimo concerto da série Bach Brasil conta com o apoio do Goethe Institut.

Link do concerto online: https://youtu.be/iCT_yZ6J5yI

Fernando Cordella, cravo e direção

Solistas:

Maria Cristina Kiehr (Suíça), soprano

Marilia Vargas (Brasil/SP), soprano

Giovani dos Santos, violino barroco

PROGRAMA

Johann Sebastian Bach (1685 – 1750)

Concerto em Lá menor para Violino e orquestra, BWV 1041

- [...]

- Andante

- Allegro assai

François Couperin (1668 – 1733)

Troisième Leçon De Ténèbres à deux Voix

- Jod – Manum suam misit hostis

- Caph – Omnis populus ejus gemens

- Lamed – O vos omnes qui transitis per viam

- Mem – De excelso misit ignem

- Nun – Vigilavit jugum iniquitatum

- Jerusalem convertere ad Dominum

Johann Sebastian Bach

- Ich folge dir gleichfalls, aria da Paixão Segundo São João, BWV 245

- Blute nur, aria da Paixão Segundo São Mateus, BWV 244

- Schlummert ein, ihr Matten Augen, aria da Cantata, BWV 82

- Christe eleison, dueto da Missa em Si menor, BWV 232

ENSEMBLE BACH BRASIL

Fernando Cordella, cravo e direção

Violino I

Giovani dos Santos

Letizia Roa

Juliano Buosi

Victor Tamarindo

Violino II

Marcio Ceconello

Renata Bernardino

Carlos Sell

Viola

Leonardo Bock

Carlos Martins

Violoncelo

Diego Biasibetti

Pablo Schinke

Violone

Alexandre Ritter

Teorba

Guilherme de Camargo

Traverso

Claudia Schreiner

=

MARIA CRISTINA KIEHR

soprano

É uma das mais prestigiadas sopranos especialistas em música barroca. Estreou na ópera em Innsbruck, em 1988, com a ópera “Il Giasone”, de  Francesco Cavalli. Desde muito cedo foi convidada a trabalhar com Jordi Savall, Gustav Leonhardt, Nikolaus Harnoncourt, Philippe Herreweghe, Franz Bruggen, e grupos como Hesperion XXI, Concerto Köln, Ensemble 415, Seminário Musical, Concerto Vocal, Ensemble Elyma, entre outros.

Em colaboração com o cravista Jean-Marc Aymes, Kiehr fundou o Concerto Soave Ensemble. Participou como solista dos mais prestigiados festivais de música antiga do mundo, incluindo o Utrecht Early Music Festival, Ambronay, Pontoise, Simiane-la-Rotonde, Semaine Sainte en Arles, e em Montreux, Lausanne, Marselha e Paris Cité de la Musique.

Já participou de mais de uma centena de gravações. Seu disco com a obra “Maddalena ai Piedi di Cristo”, com René Jacobs, ganhou o prêmio Grammy em 1997. Ela se apresenta e grava para o selo Harmonia Mundi.

MARÍLIA VARGAS

soprano

Uma das mais ativas e respeitadas sopranos de sua geração, Marília Vargas divide seu tempo entre concertos, aulas, masterclasses e festivais de música, que a levam regularmente a diversos países europeus, da América Latina, Japão e China.

Entre suas colaborações com ensembles e orquestras, destacam-se suas diversas atuações com La Capella Reial de Catalunya, Le Parlement de Musique, Ensemble Turicum, Zürcher Kammerorchester, Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB), Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal de São Paulo e Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP) - que a levam regularmente a diversos teatros, entre eles o Wiener Konzerthaus, Theatre Royal de Versailles, Berliner Konzerthaus, Gran Liceo de Barcelona, Tonhalle Zürich, Theater Basel, Helsinki Music Centre, Auditorium de Dijon, National Center of Performing Arts em Pequim, Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Theatro Municipal  de São Paulo e Sala São Paulo.

Formada em Canto Barroco na Schola Cantorum Basiliensis e em Lied e Oratório no Conservatório de Zurique, na Suíça, estudou com Neyde Thomas, Montserrat Figueras, Christoph Prégardien e Silvana Bartoli.

GIOVANI DOS SANTOS

violino barroco

Giovani dos Santos é Bacharel em Música pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde teve a orientação de Hella Frank e Fredi Gerling. Em uma breve passagem pela Alemanha entre 2011 e 2012, teve aulas com Michael Gehlmann, além de participar do Deutsch-Skandinavische Jugend-Philharmonie, a convite de Leon Spierer, spalla da Filarmônica de Berlim. Em seguida aperfeiçoou-se com Emanuelle Baldini, spalla da OSESP.

Participou de dezenas de festivais de música e masterclasses pelo Brasil, a se destacar a bolsa integral no Festival de Campos do Jordão 2015 e a seleção como spalla na Orquestra Acadêmica do Festival Internacional de Música do SESC Pelotas em 2013 e 2018.

Atualmente realiza intensa atividade orquestral e camerística, integrando a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, Orquestra de Câmara da ULBRA, Bach Brasil Ensemble e Trio Scherzo. Tem participado ativamente no cenário da performance historicamente informada no Brasil, onde já gravou ao lado de nomes como Fernando Cordella, Luís Otávio Santos, Ricardo Kanji e Gabriella di Laccio.

FERNANDO CORDELLA

direção artística e cravo

É considerado um dos cravistas mais ativos de sua geração na América Latina. Em 2015 recebeu o prêmio TOYP JCI Brasil como a figura mais expressiva no Brasil do ano, na categoria “Êxito Cultural”. Diretor artístico e maestro titular da Sociedade Bach Porto Alegre e Bach-Brasil. Desde 2016, é o professor da classe de cravo da EMMSP – Escola Municipal de Música de São Paulo e um dos coordenadores da Oficina de Música Barroca da mesma instituição.

Tem atuado fortemente como solista e maestro convidado nas principais orquestras do Brasil e exterior. Atuou sob direção de: Peter van Heyghen, Nathalie Stutzmann, Luiz Otávio Santos, Michaela Comberti, Olivia Centurioni, Bart Naessens, Roman Garrioud, Juan Manuel Quintana, Rodolfo Richter, entre outros.

Iniciou seus estudos com a pianista Dirce Knijnik, e no cravo teve Nicolau de Figueiredo como seu principal mestre. Vencedor do Prêmio Açorianos 2011 como melhor intérprete da categoria música erudita pelo disco “CRAVOS – de Frescobaldi a Mozart”.

CRÉDITOS:

Direção artística: Fernando Cordella

Direção audiovisual e de comunicação: Caio Amon

Direção e Engenharia de som: Fabiano Cordella

Direção executiva: Fábio Ramos

Direção de produção: Ilton Carangacci

Assistente de áudio: Graziele Huning

Direção de Fotografia: Arion Engers

Equipe de vídeo: Pedro Locatelli, Deise Hauenstein, Marcelo Freire, Henrique Strieder

Assistente de palco: Matheus Goelzer

Iluminador: André Hanauer

Equipe de comunicação: Marcelo Freire e Mariana Rosa

Assessoria de Imprensa: Carangacci música

Produtora audiovisual e de conteúdo: EROICA conteúdo

Presidente da Bach Society Brasil: Jonas Badermann

Financiamento: Mecenas e apoiadores da Bach Society Brasil

Compartilhe esse evento

bottom of page